Just another WordPress.com site

[Artigo] Existe “regra” na hora de definir a ordem dos Pedais ? @GuitarBlogGAS


Qual a ordem correta dos pedais de efeito? Por Elvis Almeida

A princípio não existe uma ordem correta… existe uma recomendação geral feita por fabricantes e guitarristas que ao longo do tempo perceberam onde os pedais eram mais eficientes.

Porém, eventualmente, a ordem poderá ser alterada, desde que o resultado obtido agrade seus ouvidos.

Nesta linha de raciocínio, este artigo buscará esclarecer a configuração de pedais mais usada, fazendo algumas observações para que você tire o máximo de seu equipamento, sem a preocupação com o “certo” ou o “errado”, mas tentando passar um pouco da experiência que adquiri nestes 19 anos de guitarra.

 Primeiro, vamos apresentar a ordem “clássica” dos efeitos:

AMP ← AMBIÊNCIA (Reverb, Delay) ← MODULAÇÃO (Phaser, Flanger, Chorus) ← EQUALIZAÇÃO (Equalizer) ← DISTORÇÃO (Distortion, Overdrive)← DINÂMICA/FILTRAGEM (Booster, Compressor, Wah-wah) ← GUITARRA

Pode ser que o guitarrista precise de um pedal de volume para poder controlar o sinal de saída para o amplificador. A Roland/Boss recomenda que ele seja instalado logo após as distorções. Tal recomendação se justifica para evitar que ao abaixar o volume diminua o ganho das distorções, diminuindo por consequência o Drive.

Pelas minhas experiências, neste espírito de não cortar o Drive, o pedal de volume pode ser instalado também após o Equalizer, ou no final de todo o Rig.

Contudo, as vezes ficar tirando o Drive no knob de volume da guitarra não é muito prático. Nestas situações para os fãs do Eddie Van Halen, pode ser interessante instalá-lo antes das distorções, para reduzir o Drive com o pé.

 A partir de agora analisemos a posição de cada um dos pedais.

 Por que MODULAÇÃO e AMBIÊNCIA não “podem” ficar antes do Drive?

Não é que não possam, mas é que a alteração na onda provocada pelas modulações e ecos serão achatadas e distorcidas. Quando colocados após, os efeitos serão acrescidos à onda já distorcida, sem serem achatados.

Quando a modulação é colocada antes de um leve Crunch do amplificador, o “achatamento” é reduzido, não prejudicando o sinal, sendo utilizado por muitos guitarristas. Às vezes o Chorus também fica interessante antes do Drive, pois a distorção do efeito (o Chorus, multiplica a onda e muda levemente a afinação e o tempo para dar a sensação de vários instrumentos) dá um efeito bem diferente e exótico.

DINÂMICA E WAH: Não existe consenso se o Compressor ou o Wah-wah vem primeiro. Particularmente, eu prefiro o Wah-wah como primeiro pedal. Mas o consenso é que eles não devem ficar depois da distorção. Acontece que se o Wah-wah receber muito ganho, ele vai saturar o sinal e acrescentar distorções indesejadas. O mesmo acontece com o Compressor. Sua função é acrescentar ganho aos trechos mais baixos (onde o sinal está mais fraco) igualando a dinâmica. Se receber muito ganho antes, também irá saturar, produzindo um efeito também indesejável.

Posição dos Boosters: Quanto à posição dos booster, isto vai depender se como você quer que ele funcione. Para funcionar como booster de volume o ideal é que fique após as distorções, do mesmo modo que um pedal de volume tradicional. Como booster de ganho, funcionará melhor antes das distorções, do mesmo jeito que utilizamos para “esquentar” o Drive do amplificador. No final das contas depende muito do gosto e estilo do guitarrista. Sobre os pedais de boost, recomendo a leitura de um outro artigo meu no qual eu analiso as possíveis funções destes pedais e as alternativas possíveis à sua utilização, no seguinte endereço: http://www.centraldorock.com.br/2011/06/pedais-de-boost-boosters-como-funcionam.html

Portanto, feitas estas análises acho oportuno descrever como ficou meu set de pedais, depois de várias experiências realizadas. Vejamos:

Landscape Echo Delay ← Ashland Phaser ← Boss Chorus Ensemble ← Behringer Tube Monster VT999 ← Hurricane Driver HD-1 ← Behringer Dynamics Compressor DC9 ← Wah-Wah Morley NSW

No meu caso, como meu Phaser é True Bypass e não utilizo ele junto com o Chorus, não faz diferença alternar a ordem destes dois, pois o resultado também será o mesmo.

Um problema decorrente da utilização de pedais é a perda de sinal, no final da cadeia a sensação que temos é que muitas frequências e volume se perderam pelo caminho. Esta sensação aumenta quanto mais pedais temos em nosso Rig. Para superar este problema foram desenvolvidos os Buffers, mas isto é assunto para outro artigo.

Um abraço e até a próxima dica.

Elvis Almeida

Guitarrista – Endorser Strinberg

http://www.elvisalmeida.com

10 responses

  1. eu gosto de usar as distorções, seguidas de modulações, mas já fiz uns experimentos de colocar o chorus antes do drive, fica bem diferente… uso também um envelope filter depois do drive, fica legal

    Junho 27, 2011 às 1:34 pm

    • O melhor que se faz em relação a quase tudo é experimentar!

      Junho 27, 2011 às 3:46 pm

  2. É isto pessoal… os ouvidos são os melhores censores/sensores na ordem dos pedais… até porque tem toda a questão do casamento de impedâncias de entradas e saídas… por isso o resultado poderá variar muito dependendo dos pedais utilizados.

    Junho 29, 2011 às 7:29 pm

  3. xjubax

    Galera, eu to com um problema.
    Meu set atualmente é um Cry Baby Jerry Cantrell, Little Big Muff, Fuzz Face Reissue e um BOSS Ph-2 Super Phaser. Eu mantenho o afinador antes do Wahwah, e quando eu ligo o Fuzz, eu não ouço o wahwah. Só da pra ouvir que tem alguma coisa diferente, mas nada muito caracteristico do pedal.
    Como consertar isso? Será que se eu por uma chave TBP irá resolver o problema?
    Valeu!

    Julho 16, 2011 às 7:38 pm

    • Aparentemente o sinal está se perdendo ou saturando demais no percurso até chegar ao Fuzz. Isto pode ser problema de Buffer. Sugiro que você faça dois testes… 1) troque o Fuzz de lugar, coloque ele logo após o wah e veja como fica; 2) utilize o wah depois das distorções, apesar de não ser recomendado pela maioria dos fabricantes (justamente por questão do buffer), costuma funcionar bem em muitos casos. Um abraço e obrigado por participar do blog.

      Agosto 21, 2011 às 1:18 pm

  4. Jessethibes

    Olá Elvis. Primeiramente, parabéns pelo texto!
    Bem, vou aproveitar e deixar uma dúvida: estou planejando adquirir um amplificador Vox Ac4TV, o qual não possui send/return. Porém, o mesmo não possui reverb, que gosto muito de usar, tanto como ambiência e como efeito (um tanto “exagerado”, diriam alguns – “espacial”, para mim). Pois bem: fritando as válvulas, ocorrendo a saturação divina, fica inviável a utilização de um pedal deste efeito entre a guitarra e o amplificador?

    Julho 21, 2011 às 1:20 am

    • Inviável não. Diria que vai ficar diferente. Não se recomenda ligar ambiência antes do drive, pelo fato de que elas também ficariam distorcidas. Porém, até certos níveis de ganho, não só é possível ligar como fica com um estilo bem vintage. Aliás já toquei com este amplificador e acho ele fantástico. Creio que você não vai ter problemas com o Reverb antes, pelo fato de que sua saturação é low gain, diria que está mais para um crunch que um drive. Porém, tudo envolve também o gosto pessoal. O ideal é que você experimentasse seu pedal de reverb no AC4TV com os níveis de saturação que você gostaria de usar. Só testando para verificar se você vai gostar ou não do resultado final. Particularmente, fiz algumas gravações com este amplificador e um pedal Echo Skkreddy Pedals e ficou excelente.

      Agosto 21, 2011 às 1:26 pm

      • Jessethibes

        Beleza Elvis, obrigado pela atenção. No fim, a velha fórmula é a que funciona: testar, provar e gostar (ou não)! Mas essa sua informação só me atiça mais ainda a GAS prá adquirir o AC4!
        Abraço, obrigado!

        Agosto 22, 2011 às 10:30 pm

  5. Estamos à disposição Jesse… só um alerta… Só um último comentário acerca do AC4TV, ele é um amp desenvolvido principalmente para gravações, inclusive já tem atenuador de potência integrado. Você pode escolher entre 0,25W, 1W ou 4W. Mesmo ajustado para 4W, ele vai crunchar fácil. Em performances ao vivo, você terá sempre que microfonar, mesmo em espaços pequenos, pois a bateria cobre o som dele facilmente. Testamos ele num ensaio de nossa banda (www.cabaltribal.com) e nos momentos mais fortes ele sumia um pouquinho. Ao vivo você também poder ter dificuldade para ouví-lo no palco, principalmente, se o som dos retornos estiverem muito alto. Concluindo é um amp excelente, mas com a vocação para estúdio e gravações, pois lhe permite tocar em altos níveis de saturação com um volume baixíssimo.
    Um abraço.

    Agosto 23, 2011 às 11:23 am

  6. Jessethibes

    Tranquilo Elvis, a intenção é ter um ampli valvulado prá estudo e gravações mesmo. No momento, não toco em banda. Valeu, abraço!

    Agosto 24, 2011 às 2:55 pm

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s